sexta-feira, 6 de maio de 2016

Grandes Nomes do Futebol Brasileiro da Década de 90


Mas que hoje não são merda nenhuma

Em sua época áurea eles foram amados por suas torcidas, temidos pelos jogadores rivais, imortalizados nos exageros na euforia de Galvão Bueno. Hoje, vivem sabe-se lá onde, fazendo sabe-se lá o que. Pensando nisso, resolvemos começar hoje a listas alguns nomes que certamente você deve lembrar e que provavelmente deve estar se perguntando onde está o seu ídolo.

Túlio Maravilha

 


Túlio Maravilha (Goiânia, 2 de junho de 1969), é um ex-jogador de futebol que atuava como atacante.
Foi três vezes artilheiro do Campeonato Brasileiro de Futebol da Série A (1989, 1994 e 1995), um recorde com quem divide com Romário e Dadá Maravilha. É o único jogador do futebol brasileiro a ter sido artilheiro em três divisões do futebol nacional - tendo sido o maior goleador da Série B (2008) e da Série C (2002 e 2007). Ficou também conhecido por seu estilo irreverente e pouco modesto, de autopromoção e sem ter papas na língua.
Defendeu diversos clubes de menor expressão do futebol nacional. Seu último clube foi o Araxá, pelo qual chegou ao milésimo gol, pelas contas do próprio Túlio, já que não há registro oficial sobre os 1000 gols que o jogador tenha feito ao longo de sua carreira. Nestas contas, somam-se os gols marcados não apenas em partidas oficiais, mas também em jogo-treino, amistoso e até partida festiva.
Mas este não e um post saudosista sobre futebol. O que nos interessa de verdade é tentar entender que fim levaram tais sujeitos.
Vamos começar salientando dois pontos da biografia resumida acima:
1 – “(…) Ficou também conhecido por seu estilo irreverente e pouco modesto (…)
2 – “(…) chegou ao milésimo gol, pelas contas do próprio Túlio, já que não há registro oficial sobre os 1000 gols que o jogador tenha feito ao longo de sua carreira. (…)




A segunda frase me faz entender perfeitamente primeira. Acompanha a minha linha de raciocínio: durante a carreira, o cara tem por objetivo chegar aos mil gols mas ELE mesmo faz a contagem e conta os gols marcados fora de partidas oficiais. Daí temos outros dois questionamentos: Se o próprio Túlio Maravilha é quem fazia (ou faz, vai saber) a contabilidade dos próprios gols é algo bastante falho, a não ser que ele tivesse um diário - "19 de Março de 1993, 15 de Arapiraca x Tuna Luso. Querido diário, hoje eu fiz o meu gol de número 753, sinto que cada dia estou mais próximo dos mil, ainda mais que no domingo tem futebol com os meninos do bairro que passei minha infância, acho que lá consigo marcar ao menos mais uns cinco gols!" - mas acho pouco provável que isso realmente aconteça.

Em queda vertiginosa ao esquecimento, Túlio estampou a capa da revista G Magazine em dezembro de 2003, época esta em que tal revista teve seu auge por colocar qualquer um na capa, contando que garantisse uma boa vendagem (e o mesmo acontece com Playboy e afins, isso não é privilégio da G). Caso alguém tenha curiosidade em ver a Maravilha do Túlio, é só clicar aqui.

Em 2008, foi eleito vereador pela cidade de Goiânia, tendo renunciado ao cargo em 2011 por ter assinado contrato com o Bonsucesso do Rio de Janeiro para ir em busca do seu milésimo gol. É incrível ver a quantidade de pessoa pública que pende para o lado da política depois que a carreira acaba ou que a mídia desvia o holofote para outro lado.

Hoje, 2016, por onde anda Túlio Maravilha? Contando as cifras da sua passagem pela política ou jogando futebol de várzea em alguma cidade no interior do Brasil, em busca do gol de número 1005? Nada disso, como bom atleta aposentado no Brasil, Túlio ganha a vida dando palestras motivacionais onde mostra o caminho do sucesso. Ou ensina como contabilizar com maestria os gols marcados durante a carreira. Vai saber.

Nenhum comentário:

Postar um comentário