sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Da política ao WhatsApp

Umas duas semanas atrás o pessoal do Facebook se degladiava pela Dilma ou pelo Aécio, gente que não entende nada de política levantando bandeira com argumentos equivocados e ataques gratuitos àqueles que tinham pensamentos contrários aos seus.

Hoje, o pessoal do Facebook entrou em alvoroço e ficou com o cu na mão porque agora o WhatsApp notifica quando a mensagem foi lida, estão dizendo que isso vai fazer com que muitos relacionamentos terminem ou qualquer outra bobagem do gênero. Com isso eu fiquei aqui pensando: ou o pessoal está fazendo isso pra virar um pouco o disco e parar de falar em política ou são realmente desinformados que adoram pagar de politizados quando lhe convém, precisando só de uma coisa bem irrelevante para mostrar quem realmente são. Infelizmente, acabei ficando com a segunda opção.

Posso até estar exagerando ou generalizando um pouco (ou muito), mas é isso o que eu estou vendo. E eu não poderia deixar isso passar batido.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Quem realmente perdeu as eleições


Nestas eleições, quem perdeu não foi o Aécio, nem foi a Dilma*, fomos nós mesmos.

Vimos discursos dos mais inflamados aparecerem todos os dias, vindos de todos os lados. Perdemos por continuarmos a ser um país ignorante e preconceituoso, que ainda não aprendeu a lidar com a diferença alheia e que ela deve ser respeitada sobre todas as coisas. Perdemos por atacar gratuitamente qualquer um que não pense da mesma forma que nós e achar que este é menos digno de respeito por isso. Entre tantas outras.

Nordestinos e nortistas continuam sendo "culpados" pelos cenário político atual do país, homosexuais/transgêneros/negros continuam a ser tratados como escória da sociedade, enquanto uma maioria raivosa os ataca (física e verbalmente) assiste a tudo isso de camarote, dizendo que eles mereceram tudo isso. E o povo continua confundindo liberdade de expressão com raiva e ódio. Culpamos o ato racista num jogo de futebol mas acabamos fazendo pior nestas eleições. E continuamos a fazer, todos os dias, o tempo todo.

O que me entristece no Brasil não são apenas os problemas sociais que todo mundo já conhece e sabe quais são, mas principalmente em ver que ainda somos um povo que não acolhe o próprio povo, que prefere reclamar do que o vizinho anda fazendo do que olhar um pouco para o próprio umbigo.

Quando falo nós, falo do povo, do Brasileiro, que enquanto não aprender que cada um pode ser o que bem entender (e que isso não afeta em NADA a vida do outro) vamos continuar assistindo uma troca de ofensas que não leva a nada e nunca vão levar a lugar nenhum senão ao ódio e raiva e assim, o ciclo se repete. Vamos continuar sem civilidade para discutir uma partida de futebol ou aceitar as diferenças -políticas, sexuais ou qualquer outra- daqueles que assim como nós, tem os mesmos direitos, deveres e obrigações.

*Eu não sou tão alienado assim, eu sei que a Dilma venceu as eleições. Então, que venham os próximos quatro anos.