quarta-feira, 24 de agosto de 2011

O Expediente Depois do Almoço Pós Amigo Secreto

- Psiu...

- ...

- Hey, Amaral...

- Fala Gorete.

- Já ta sabendo?

- Sabendo de que?

- Os estagiários já estão comentando, tu não ouviu?

- Não.

- O Walter e a Cleide...

- O que tem eles? Desde o amigo secreto que não aconteceu não falo direito com a Cleide e o Walter... bem, o Walter é o pára-raio da empresa né hehehehehe...

- Não estou falando do óbvio. É que eles saíram para almoçar hoje... juntos.

- Hmmmm. E isto quer dizer que?

- Não faz idéia?

- Sei lá, que eles foram almoçar no mesmo lugar?

- Puta merda Amaral... como tu é ingênuo.

- E o que eu deveria ter pensado? Que eles saíram para almoçar, e foram dar uma de Michel Teló?

- Como?

- Michel Teló, o sertanejo universitário aquele...

- Ainda não te entendi.

- O carinha aquele que canta "O jeito é, dar uma fugidinha com você blá blá blá blá blá"

- Ahhh tá... É mais ou menos isso que a Radio Corredor ta comentando...

- Radio Corredor?

- O pessoal ta comentando...

- Ahhh tá! Fala mais! Fala mais! Fiquei curioso!

- Então, pelo que a Giovanna, a estagiária de RP, me disse eles est...

- Sei quem é, aquela gostosinha que começou a trabalhar conosco tem uns três meses e...

- Amaral!!

- Perdão, continua.

- Eles estão tendo um caso! Só não querem que ninguém saiba...

- Será?! O Walter é tão cheio de frescura, chato pra cacete, tem mania de perseguição e...

- E a Cleide é a capacha chata da diretoria, Amaral... os dois se completam.

- Pode até ser, mas ainda acho que é meio improvável...

- Porque? Dois colegas que assim como nós, solteiros, sem filhos, com uma vi...

- Tu ta querendo dizer que nós poderiamos, qualquer dia desses, aprov...

- Amaral!! O quer tu ta dizendo, homem?

- Tu mesma que disse isso!

- Eu não disse nada, só comparei com a gente!

- Mas deixou entender alguma coisa...

- Não!

- Ta bom então, se tu prefere assim...

- Não é uma questão de preferência, é só deixar tudo bem claro, eu nunca que teria alguma relação contigo além da profissional e a amizade que temos um com o outro.

- Ok...

- Então, como ia tentando te dizer... a gente tem que descobrir se há um fundo de verdade nisso ou se é só mais uma fofoca...

- Mas como?

- Não sei, achei que tu soubesse...

- Achei que TU soubesse!

- ...

- ...

- ...

- Já sei! Eu chamo o Walter para almoçar e tu chama a Cleide, daí a gente tenta descobrir algo e bate as informações.

- Almoçar com aquela chata? Tu ficou maluco?

- É o jeito, Gorete... não da para ir lá na sala deles e sair metralhando, tem que comer beradas e...

- Tu acha mesmo necessário um almoço? Não dá pra ser uma coisa mais informal, ali no cantinho do café?

- Não, pode alguém que não deve ouvir...

- Ok, eu faço esse sacrifício.

-Beleza, então vamos mudar de assunto que um pedaço do assunto ta chegando por aqui...

- Merda! Mas então fica combinado! Só não vamos no mesmo dia para não levantar nenhuma suspeita.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Entre cenouras e discussões de relação

- Uma cenoura Abê, tem certeza?

- Claro querida, porque não?

- Sei lá, todo mundo tem uns fetiches mais...

- Comuns?

- Isso, comuns.

- Pode até ser mas, sei lá, cenouras sempre me despertaram um peculiar interesse.

- Ihhhhh...

- Como é?

- Nada, eu só disse "ihhhhh".

- E o que tu quis dizer com esse "ihhhhh"?

- Nada, foi só um "ihhhhh", larga de ser bobo homem.

- Bobo nada, Maria Angélica, tu quis dizer alguma coisa.

- E quis mesmo.

- O que então?

- Ihhhhh, oras. Um "ihhhhh" é sempre um "ihhhhh".

- Não senhora, um "ihhhhh" pode representar tanta coisa...

- Tanta coisa tipo o que?

- Surpresa, isinuação...

- Só isso?

- Como só isso?

- Só isso, oras.

- Abelardo, porque pra ti tudo tem que ter uma explicação mais complexa ou mais detalhada?

- E porque tu sempre tem que falar dos meus fetiches com esse "ihhhhh" insinuando alguma coisa?

- Eu não insinuo nada, só acho que tu exagera um pouco as vezes.

- Eu exagero? E aquela vez que tu inventou de encher meu corpo de salame, queijo e...

- Ah, era só uma tábua de frios erótica, oras...

- Mas é nojento.

- Nós nos conhecemos num sushi erótico, lembra Abê?

- Ah, mas daí é diferente.

- Diferente porque?

- Porque é uma mulher e...

- Que coisa mais machista, Abelardo.

- Posso concluir?

- Pode.

- Então, mulher não é tão nojento quanto homem, é mais limpinha, essas coisas...

- Tu quer dizer que tu não toma banho regularmente?

- MariAngélica, não tenho mais doze anos, é óbvio que eu tomo banho todos dias.

- Seeeeei...

- Porque tudo que eu digo tem que virar deboche, hein?

- Como assim, tudo que tu diz?

- Primeiro foi aquele "ihhhhh" agora esse "seeeeei".

- ...

- Não vai dizer nada?

- Não.

- Porque?

- Porque? Porque cada coisa que eu falo tu toma como ofensa.

- ...

- ...

- ...

- ...

- Meu bem... benzinho... vamos esquecer essa discussão toda? Não estamos chegando em lugar algum.

- Tem razão fofo, a gente ta aqui com um propósito e acabou discutindo a relação por bobagem.

- É! Nem lembro porque começamos tudo isso.

- Por causa das cenouras, lembra?

- Ahhh sim, é mesmo, as cenouras.

- É.

- Pensou no assunto?

- Pensei.

- Então, vai te vestir de cenoura para mim essa noite?

- Pode ser... Mas tem uma condição.

- Qual?

- Tu te veste de rabanete qualquer dia desses?

- Tudo bem.

- Jura?

- Juro. Vamos bsucar a fantasia de cenoura então?

- Vamos! Te amo, Abê!

- Também te amo, Gélica!

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

O Pós Amigo Secreto

- Está tendo um burburinho por aí dizendo que a culpa pelo cancelamento do amigo secreto foi sua...

- Minha?

- É.

- Olha Cleide, eu não fiz nada. Eu sou sempre o culpado de toda e qualquer coisa que...

- Walter, pára de te fazer de vítima, sim?

- Como é?

- Te fazer de vítima, tu sempre te refere a ti mesmo de uma maneira que a pessoa tenha obrigação de sentir pena de ti e...

- Ahhh pára Cleide tu sabe bem que é sempre assim. O Amaral esquece de comprar tonner a culpa é do Walter, a Dona Nadir faz o café ruim, ela deve ter passado nas cue...

- Walter, chega. Eu disse que tem um burburinho, não quer dizer que seja verdade.

- E qual a diferença?

- Qual a diferença de que?

- Entre burburinho e verdade.

- Bruburinho é fofoca, coisa que os outros inventam e...

- Isso eu sei, Cleide, ta insinuando que eu...

- Não estou insinuando nada, Walter, tu é muito cheio dos não-me-toques, não se pode falar nada e tu já acha que o mundo virou as costas pra ti...

- E não é verdade? Tudo que acontece nessa droga de escritório é culpa minha, se começa a chover em São Paulo a...

- Já sei, já sei... a culpa é do Walter. E daí?

- Como e daí, tu não acha que é responsabilidade demais para uma pessoa só?

- Acho que tu ta desvirtuando demais o assunto, te chamei para almoçar comigo para...

- Já sei, para me dizer o quanto sou cagado e que tenho uma vida de...

- Esquece, Walter...

- Não Cleide, agora fala.

- Não, deixa pra lá. Acho que a gente tem é que procurar saber quem é que começou essa história de que...

- Que se foda o amigo secreto, agora eu quero saber o que tu ia dizer.

- Já disse que não era nada...

- Fala logo, caralho.

- Sempre que tu fica nervoso, tu desata a falar bandalheiras é?

- Falar o que?

- Bandalheiras, esse teu palavreado chulo.

- Ah tá. As vezes, depende da situação.

- E que situação é essa?

- Qual delas?

- Como assim qual delas, a que a gente ta conversando desde que sentou aqui para almoçar.

- Ta, mas tem a história do amigo secreto e a do que eu deixei de te dizer.

- Ahhhhnnnn sim... as duas.

- Ah.

- Então... eu quero muito saber o que tu ia me dizer.

- E eu quero muito saber quem foi que começou aquele burburinho no escritório falando de ti.

- Porque? A chacota toda é comigo, não contigo.

- Ah, tu sabe... Fica aquele climão no escritório e daí surgem os apelidos e...

- E?

- E eu acho que não é legal isso. Um apelido de acordo com o nome da pessoa tudo bem, até soa de forma carinhosa, mas inventar algo depreciativo é ser infantil demais.

- Pode me chamar de Wal.

- Como?

- Wal, meu apelido fora do escritório.

- Eu entendi, só não entendi porque eu te chamaria assim, somos apenas colegas e...

- Tu mesma que disse isso Clê, é uma forma mais cari...

- Peralá, que história é essa de Clê?

- É o que eu tentava te dizer antes de tu me interromper, é uma forma mais carinhosa, a gente pode se conhecer fora daquele lugar hostil.

- Melhor não.

- Porque? Tu é casada? Namora? Ta enrolada?

- Não é isso.

- Então...?

- Eu simplesmente não quero.

- Não quer?

- É, não quero. Fazer amizade com pessoal do trabalho é ter um infinito Happy Hour.

- Como assim?

- Os assuntos são sempre os mesmos. Falar mal do chefe, comentar dos estagiários, reclamar do salário, etc.

- Ok... então voltemos a vaca frita.

- Vaca fria.

- Como?

- É vaca fria que se diz... mas prossiga.

- Então... acho que o problema todo de seu por causa dos sanduíches de pernil.

- Os sanduíches?

- Sim, os sanduíches. Lembra da confusão que toda a comunidade judaica do escritório fez quando tu anuncinou que o cardápio seria composto deles?

- Até que faz sentido... Mas eu ainda acho que o problema são com os refrigerantes.

- Os refrigerantes? Mas o mundo todo gosta de Coca Cola...

- Não a Coca Cola, o tal de Guaraná Antuérpia ou o Raudê Cola.

- Bwahahhahaha...

- Não entendi o motivo da garagalhada.

- Só tu mesma Cleide, para acreditar que existissem estes refrigerantes...

- Ainda assim, foi uma brincadeira muito da sem graça. E tu, ainda te fez de bobo quando me deram teu telefone para saber das marcas

- Verdade, foi um pouco cretino da minha parte. Mas eu ainda acho que os sanduíches de pernil foram os semeadores da discórdia.

- Talvez.

- É, talvez.

- Escuta Walter, vamos pedir esse almoço logo? Estou ficando com fome e essa nossa conversa não vai chegar a lugar nenhum.

- Verdade... Deixa que eu chamo o garçom. Mas peraí um pouquinho... O que tu ia me falar antes e não disse?

- Nada, já te disse.

- Nada o caramba... Fala aí, ta só a gente aqui.

- Ta bem, eu falo.

- Então fala.

- Posso acender um cigarro antes?

- Estamos na área de fumantes?

- Sim.

- Então tudo bem.

- É que a diretoria me mandou almoçar contigo para...

- Para o que? Fala logo...

- Calma, homem. Para tentar descobrir se era tu que estava envolvido com aquele desvio de verba.

- Desvio de verba? Que desvio? Que verba? O que me interessa para onde é destinada ou não alguma verba quando está o escritório todo conspirando contra mim? Só porque eu trabalho com a contabilidade e...

- Esquece Walter, eu esqueci que tu era a escória da humanidade, a personificação de tudo que há de mal ou ruim no mundo, por isso eu nem queria falar nada.

- Sei, sei... Mas vamos chamar o garçom?

- Vamos. Aliás, tu chama, eu ainda estou fumando.

- Ok. Hey, garçom, chefia... chega aqui um poquinho...

---

Agradecimento especial e dedicação deste texto ao amigo Rob Gordon (até mesmo porque sem ele, este texto nunca teria sido possível), que de tanto ler suas crônicas, sinto como se já fossemos amigos de longos anos. E se você conseguiu chegar até aqui, foi aqui que essa história toda começou.

sexta-feira, 12 de agosto de 2011


"No, I am not going 10,000 miles to help murder kill and burn other people to simply help continue the domination of white slavemasters over dark people the world over. This is the day and age when such evil injustice must come to an end." Muhammad Ali¹

¹Muhammad Ali-Haj, nascido Cassius Marcellus Clay Jr., (Louisville, 17 de janeiro de 1942) é para muitos o melhor pugilista de todos os tempos. É mundialmente conhecido não somente pela sua maneira de boxear, mas também pelas suas posições políticas. Ali foi eleito "O Desportista do Século" pela revista americana Sports Illustrated em 1999.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

"Uma boa cabeça, um bom coração, formam uma formidável combinação."
Nelson Mandela¹



¹Nelson Rolihlahla Mandela (Mvezo, 18 de julho de 1918) é um advogado, ex-líder rebelde e ex-presidente da África do Sul de 1994 a 1999. Principal representante do movimento antiapartheid, como ativista e transformador da história africana. 

terça-feira, 9 de agosto de 2011

Qual é o peso do peso na consciência?!

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Teje preso,

Cirilo

O ex-policial e ator Marcelo Fabián Rodríguez, que interpretou o personagem Cirilo na novela "Señorita Maestra" (versão argentina de "Carrossel", gravada entre 1983 e 1984), foi condenado por roubo. A informação foi divulgada nesta terça-feira (2) pelo site do jornal argentino "Clarín". (...) - Via G1 Pop & Arte

O Cirilo roubando?! Deve ser alguma espécie de remorso por nunca ter tido chance alguma com a Maria Joaquina. Ok, parei.