sábado, 25 de junho de 2011

Não escrevo resenhas nem reviews

    eu só expresso minha opinião sobre as coisas


Longe do compromisso de escrever para algum Portal, as orelhas de algum livro ou a coluna de uma revista, aqui eu falo o que penso, com as palavras que uso no dia-a-dia e os sentimentos que rondam minha cabeça e meu peito. O tempo todo.

Não entendam como se este blog me bastasse. A realidade é o inverso disto. (Quase) ninguém lê ou vê o que aparece por aqui, a existência dele é quase que nula o que faz com que eu me pergunte várias vezes porque ainda insisto em abrir o Cereal e compartilhar isso com o vazio. A resposta é bastante óbvia: escrever para o Bloco de notas é sem graça, depressivo e sem futuro. Explico.

Imagine o Bloco de notas como aquele caderno atirado no fundo da gaveta, aquele mesmo que te serviu como diário, amigo e confidente para todos os momentos em que chorar cansava, falar sozinho não resolvia e escrever era uma terapia. O Bloco de notas é isso, uma coisa um tanto quanto vazia de procura escassa, que só aos poucos que vamos nos habituando com o valor que ele tem.

Vou assistir o meu Grêmio jogar, alguma banda que eu tanto admiro (que este ano aliás, estou batendo meus próprios recordes de ida em shows), ouvi algum bom disco, um filme (nem sempre) bom e digno de ser falado, eu recorro a minha caixa de cereal hodiurno. Quero aqui exercitar minha paixão pela escrita, falar o que eu penso, o que eu acho ou até mesmo o que eu não deveria. Como bem diz minha irmã, a Internet é um dos poucos lugares em que podemos ser o que nós quisermos. E ela ta certa.

Então, justamente para combater este vazio é que escrevo. E isto me faz incrivelmente bem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário