segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Gran Torino

Walt Kowalski (Clint Eastwood), veterano da Guerra da Coréia e trabalhador da indústria de automóveis aposentado, não gosta muito do jeito como sua vida e sua vizinhança mudaram. Ele especialmente não gosta de seus vizinhos, imigrantes do Sudeste Asiático. Mas alguns eventos forçam Walt a defender justamente esses vizinhos contra uma gangue local que semeia violência e medo. Pela primeira vez desde Menina de Ouro, Clint Eastwood trabalha dos dois lados da câmera, recebendo o prêmio de Melhor Ator do National Board of Review Award por seu papel como o osso duro de roer Kowalski, aprimorado pela experiência, elegância e sensibilidade e premiando este trabalho ´com uma performance primorosa´ (Peter Travers,  Rolling Stone).
Confesso que hesitei bastante até falar sobre Gran Torino (Gran Torino, 2008) não por o filme ser ruim mas por eu não me sentir imparcial para falar de alguma produção assinada por Clint Eastwood. Walt é um personagem denso ao mesmo passo que é carismático, Thao (Bee Vang) contagia com a simplicidade do personagem e o filme todo em si é de uma riqueza de elementos (sejam eles visuais ou na própria história) que quando surgiram os créditos finais, aquele nó que estava na minha garganta desde os quinze minutos finais, se desfizesse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário